IMPOSTÔMETRO:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER --

ANÚNCIO:

ANÚNCIO:

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

8 maneiras de ajudar seu filho a perder peso e ficar mais saudável

Mudar os hábitos de toda família é essencial para ajudar as crianças nesse processo


Todo pai quer o melhor para seu filho, por isso as mudanças de hábito são tão importantes quando há um diagnóstico de sobrepeso ou mesmo de obesidade infantil. Mas quando isso acontece, é difícil parar e pensar por onde começar. O que fazer para ajudar uma criança nessa situação?
Para auxiliar, reunimos dicas de especialistas no assunto. Confira, abaixo, 8 maneiras de ajudar a criança a perder peso e ganhar saúde:


1. Reveja seus próprios hábitos
Na maioria dos casos de obesidade infantil, a família toda costuma estar acima do peso. Isso ocorre não só por uma questão de genética, mas pelos hábitos da casa. Portanto, antes de pensar em mudar a alimentação da criança, que tal implementar transformações na sua rotina primeiro?
"Tudo o que os pais fazem serve de exemplo para os pequenos, por isso não basta só a criança começar a comer saudável enquanto os adultos continuam com os antigos hábitos", explica a endocrinologista Cintia Cercato, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO).
Portanto, embarque nessa jornada de hábitos saudáveis junto com seu filho.


2. Controle a geladeira e a despensa
Não esqueça que uma criança nunca é responsável por suas escolhas. "São os pais que compram e preparam os alimentos, que orientam e conversam com as crianças e seus cuidadores sobre a mudança da rotina", considera a pediatra Flávia Bello, diretora da HomePed (RJ).
Portanto, que tal dar espaço para mais alimentos saudáveis na sua casa? "Essa é a base da reeducação alimentar das crianças. Elas precisam aprender ou reaprender o sabor dos alimentos sem tanta gordura, sódio ou açúcar", lembra a endocrinologista Cristina Blankenburg, do Hospital Santa Luzia (DF).
Experimente ter mais frutas e verduras à mão e deixe os salgadinhos e doces para oportunidades esporádicas. Dessa forma, você insere mais fibras e vitaminas na alimentação da criança, trazendo saciedade e os nutrientes que ela precisa para crescer saudável.
Os alimentos calóricos também podem ser ofertados, mas em quantidades menores e com menos frequência - sempre com a orientação de um nutricionista. Cortar esses itens de vez pode trazer mais frustação e menos aceitação para a criança.


3. Coloque limites
Mudar os hábitos da casa de repente pode ser difícil para a criança inicialmente. Se ela foi acostumada com o chocolate, é pouco comum ela se contentar com a maça de imediato. No entanto, cabe aos pais colocar limites nessa situação.
"A criança não toma decisões baseada em consequências para a sua saúde, não tem consciência dos riscos a longo prazo de uma alimentação ruim", explica Flávia. Portanto, os pais devem entender que a responsabilidade pelas escolhas é deles e tentar não ceder às manhas.
Se a criança faz birra, o importante é desestimular essa atitude. "Não reforce este comportamento, por exemplo, deixando a criança sozinha no momento da birra e só conversando com ela quando parar", orienta a psicóloga Ana Rosa Gliber, psicóloga clínica e responsável por um estudo sobre a personalidade de crianças obesas, realizado no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).


4. Estabeleça horários de refeições
Dentro dos limites explicados acima está a importância de criar horários para as refeições. Isso faz com que a criança saiba quando deve comer e incentiva que ela pare de beliscar alimentos ao longo do dia.
Por mais que, muitas vezes, o hábito de comer entre as refeições seja um reflexo de uma alimentação pobre em fibras, também pode ser uma questão de hábito. E ele é muito comum entre pessoas acima do peso.


5. Foque no que será adicionado à dieta
Diversas vezes são os próprios pais que fazem as crianças darem um valor negativo aos alimentos saudáveis. "Quando você diz que está deixando o doce para um dia especial porque ele é mais gostoso, você automaticamente torna a fruta um alimento menos saboroso", considera Cintia.
Pensando por esse lado, uma boa estratégia é focar em quantos alimentos novos e gostosos serão inseridos nessa rotina da criança, em vez de se lamentar pelas guloseimas que deverão ser reduzidas.
Inclusive, porque não incluir seu filho na montagem do novo cardápio? "Devemos levar as crianças para as compras, mostrar os alimentos e levá-las para a cozinha para ajudarem no preparo. Tudo isso ensina a importância da alimentação", ressalta Cristina.


6. Pare de comer vendo TV
Muitas famílias têm o hábito de fazer as refeições em frente a uma televisão, o que atrapalha bastante o relacionamento com o alimento, já que nem você e nem a criança prestam atenção no que é levado à boca.
"Distraídos, costumamos ingerir uma maior quantidade de alimento do que a necessária para ficarmos satisfeitos", ressalta a pediatra Flávia.
Em vez disso, experimente sentar-se em família e conversar sobre o dia. Além de trazer uma forma de comer mais saudável, você pode acabar criando um vínculo maior com a criança.


7. Incentive atividades ao ar livre
Além de comer bem, é importante gastar as calorias do dia a dia. Hoje, as crianças costumam ficar mais em casa, com seus jogos, TVs e celulares. "É muito importante reduzir o tempo diante das telas para no máximo três horas por dia", ressalta a endocrinologista Cintia.
E nada melhor do que afastar a criança do mundo virtual levando-as para atividades ao ar livre. "Isso cria o hábito de fazer atividade física, e pessoas que as praticam controlam mais a ansiedade e o apetite", considera Cristina.
Além disso, a atividade ao ar livre ajuda as crianças a gastarem as calorias ingeridas nos alimentos, deixando menos margem para serem estocadas em forma de gordura.


8. Converse com seu filho
O diálogo é uma parte vital na relação entre pais e filhos, ainda mais em momentos de mudanças como o começo de uma reeducação alimentar.
"Faça uma conversa de forma lúdica, ajudando seu filho a entender que hábitos saudáveis fazem parte do dia a dia", aconselha Cristina.
Para a especialista, é importante nunca demonstrar pena da criança pelas restrições e, sim, explicar que essas mudanças são para a vida toda e para o bem dela, reforçando sempre que a mudança de peso vai influir na saúde da criança.
Flávia indica que crianças mais velhas devem ser alertadas sobre as consequências negativas do excesso de peso para a saúde, mas alerta: "É preciso ouvir as questões e angústias trazidas pela criança e demonstrar afeto, carinho e amor para melhorar a autoestima e confiança dela", finaliza a especialista.