IMPOSTÔMETRO:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER --

ANÚNCIO:

ANÚNCIO:

terça-feira, 20 de junho de 2017

Poesias de Festa Junina

Poesias de Festa Junina

“Ao João damos as mãos
Ao Antônio o coração
Pedro e Paulo emoção
Então vamos dançar
Estes dias festejar
Com animação e alegria”
Autoria:Ângela Lugo
—————————-
PEDIDO EM ORAÇÃO
Diana Lima
Eu pedi numa oração
Ao querido São João
Prá ninguém soltar balão
São João me perguntou
Se aprendi no CORAÇÃO
Mais esta lição
Ele parabenizou e mandou
Com Santo Antonio reforçar
Santo Antonio me falou
Eu sou santo de fazer casar
Isto é com cada consciência
Todos sabem do perigo
Mas prometo ir falar
Com a Divina Providência
E aproveita pede já
Para o seu par encontrar
Que é tempo também de namorar
Posso te fazer casar
Para casar eu disse não
Eu só vim fazer o pedido
Prá ninguém soltar balão

Festa Junina
Prá dançar quadria no sertão é mais mió
sanfoneiro e violeiro tomam conta do forró
não precisa orquestra pra animar a festa
o fungado da sanfona vai-se até o nascer do sol(bis)
Piriri piriri piriri
Toca o fole na palhoça
piriri piriri piriri
como é bom São João na roça(bis)
LUIS GONZAGA
—————————-
Olha pro céu, meu amor
Vê como ele está lindo
Olha praquele balão multicor
Como no céu vai sumindo
Foi numa noite, igual a esta
Que tu me deste o teu coração
O céu estava, assim em festa
Pois era noite de São João
Havia balões no ar
Xóte, baião no salão
E no terreiro
O teu olhar, que incendiou
Meu coração.
Composição: Luiz Gonzaga / José Fernandes
—————————-
FOGOS, ROJÕES, SIMPATIAS
Bernardino Matos
É festa na roça, muita alegria ao redor da fogueira,
um agradecimento sincero pela colheita conseguida,
muita comida típica, danças e festejos a noite inteira,
milho assado, pamonha, canjica, variedade de comida.
Fogos de artifícios, bombas, rojões, cerveja e cachaça ,
a sanfona choraminga, o zabumba bem forte ressoa,
o triângulo entra no ritmo,o casamento é uma graça,
simpatias as mais diversas, um grito de esperança ecoa.
Antes da meia-noite, uma faca bem amolada atravessa a bananeira,
diante do sol nascente, sem que ninguém perceba, a faca é retirada,
surgirão na lâmina as iniciais do namorado, deixando a alma faceira.
nasce, então uma esperança, de uma bela companhia na caminhada.
Numa bacia cheia de água, uma vela acesa pinga, mais uma simpatia,
pouco a pouco ou as iniciais de um nome ou de um rosto o visual,
aparecerão nítidos, nas pequenas ondas que se formam, que alegria,
estará a caminho um amor que de tão verdadeiro já é figura real.
Muitos se divertem, pulando por cima da fogueira, sem nada queimar,
outros, com meia sola de crosta nos pés, caminham sobre o braseiro,
sente-se um cheiro esquisito,de sola queimada e de um chulé de matar,
que felicidade, meu Deus, proteja esses desfavorecidos o ano inteiro.
Lá no céu São João contempla tudo e fica feliz de tanta bondade e fé,
a simplicidade do povo, o jeito simples e rude de ser feliz e de amar,
percorrerá os pontos de luzes que se fixam em frente a casinhas de sapé.
proteja esse povo solidário, torne o caminho sereno, pra vida deles melhorar.
—————————-
SÃO JOÃO
Augusta Schimidt
Lua cheia iluminando o céu
Fogueira ardendo na terra
Corações entrelaçados
Abraços apertados
No arrasta pé da paixão
Era noite de São João.
Damas vestidas de chita
Cavalheiros com chapéu na mão
A quadrilha marcava a festa
Como manda a tradição
E ao som da velha sanfona
Que não parava de tocar
Trocavam juras de amor
Esperando o sol raiar.
—————————-
FESTA DE SANTO ANTONIO
Ilona Bastos
Santo António vou festejar,
Levo um arquinho e um balão,
Toda a noite vou bailar,
Ao meu amor dar a mão.
Vou comprar um manjerico
E ofertá-lo ao meu amor.
É viçoso, verde, rico,
Vermelho, o cravo, um esplendor.
Sua quadra popular
É de amor uma mensagem:
“Pelas ruas a dançar
Só verei a tua imagem.”
Aqui se salta a fogueira,
Ali se ri, a brincar,
Além se canta, altaneira,
Uma canção popular.
No arraial, enfeitado,
De luzes, grinaldas, balões,
Cintilantes, lado a lado,
Batem nossos corações.
—————————-
FESTA DUS INTÊRIÔ
Marcial Salaverry
Nóis qué convidá oceis
prum rastapé qui vai contecê
nu fim du meis…
vai de um tudo aqui tê…
tem muié bunita como quê….
também vai tê tudo di bão prá cumê…
todos vão se adeverti, cê vai vê…
tem churrasco, qui é prá mode
u bucho enchê…
e pinga da boa prá tudo nóis bebê…
adispois veim u sanfonero prá tocá…
prá mode nóis dançá…
as muié nóis pode garrá…
só num pode singraçá…
carece di respeitá…
pruque si fizé farseta…
vacilô… vai casá…
Intão tá tudu convidadu… podi si achegá…
Festa caipira num teim hora di começá…
e meno inda di cabá…
vai durando inquanto nóis guentá…
nóis gosta di vivê, di comê, di bebê, i di dançá…
vamu si achegando moçada…
qui as moça tá tudu arrupiada…
vai entrá sortera, i saí casada…
adispois, é só cuidá da fiarada.
—————————-
A CAMINHO DA ROÇA
Schyrlei Pinheiro
Não faço troça, carrego a viola,
acompanho o sanfoneiro até o dia raiar.
Não pulo a fogueira antes de casar,
ponho fogo na emoção,
pedindo a São Pedro
a chave do teu coração.
São João esta dormindo,
Santo Antonio ainda não,
as brasas estão tinindo,
bebam do quentão,
cuidado com os fogos,
apaguem o balão.
No céu, as estrelas brilham,
iluminando o sertão
os pares estão dançando,
com grande empolgação,
animando a festa de ocasião
—————————-
FESTAS JUNINAS
Faffi (Silvia Giovatto)
Balão no céu, festa na terra,
está era a tradição do mês de junho…
Vestido de chita, chapéu de palha
fogueira, quentão, pipoca…
corações apaixonados e a tradicional quadrilha,
a cobra aparecia e mudava o rumo da dança
depois vinha a chuva…e
a gente entrava no túnel pra não se molhar.
Já não se faz mais festa como antigamente,
agora o balão cresceu e virou incendiário
as fogueiras chegam quase ao pico do céu,
e não dá mais pra pular…
Santo António não é mais casamenteiro
São João não quer mais acender a fogueira
São Pedro esconde a sete chaves o segredo do céu.
O tempo passa, e na ânsia de melhorar
o povo faz tudo errado…porquê será?
Quero pular a fogueira como laiá pulava
Quero dançar quadrilha de mãos dadas com o meu amor
Quero doce-de-batata-doce, pipoca, quentão e maçã do amor
Quero ver o arraial com bandeirinhas coloridas
Quero balãozinho de loja, nada de balãozão
Quero correio elegante e arrasta-pé
Quero que São João acenda a fogueira, no meu coração!
—————————-
CIRANDA DO AMOR
Luiza Helena G.Viglioni Terra
No arraiá do amor,
ciranda , cirandinha..
em volta da fogueira
meu amor estou a ver
na noite de São João.
O céu muito estrelado,
a lua a surgir,
dançando coladinho
no ritmo da sanfona
meu amor fala baixinho:
-vamos ficar, até o sol nascer
na ciranda do amor.
—————————-
FESTA DE SANTO ANTONHO
Vyrena
Foi na festa de Santo Antonho
qui cunheci meu amô.
Foi só se batê os zóio
qui nóis se enamorô.
Fumo inté na procissão
pra pedi pru santo a bênção,
mais in veiz di i rezano
nóis ia se namorano.
O santo nem disconfiô
i continuô nóis ajudano.
Tanto isso é vredade
qu’ inté hoje tamo se amano!
Pru isso moça sortera
a isperança num pode perdê.
Corre pra festança minina
qui tudo pode acontecê!
—————————-
ENSAIO P’RA SÃO JOÃO
(c) Azoriana
Na Baía o São João
alegre vai a cantar
colorido é o balão
para o porto enfeitar.
Venham todos à Terceira
Embalados pelo mar
Um baile feito n’areia
E nas fogueiras saltar.
Vamos, toca a marchar
pelas ruas da cidade
Angra é amiga do mar
ao leme vem a saudade.
Vamos, toca a sorrir
pelas ruas da cidade
Brava Gente a colorir
este jardim d’amizade.
Foguetes riscam os céus
a lua beija a Marina
o reflexo vem de Deus
Encanta a nossa Rainha!
Angra bela cidade
entre festas e arraiais
ternura em qualquer idade
embeleza o nosso cais.
—————————-
FESTAS JUNINAS
Giovânia Correia
Tá chegando Santo Antonio,
e eu vou me animar.
Vou pedir novamente ao Santo,
para me ajudar a casar.
Ele que é o Santo Padroeiro,
Dos que vivem a buscar.
Um amor, que seja verdadeiro,
e que possa se perpetuar…
No dia 24, do meu querido São João,
vou pedir a esse Santinho.
Uma benção pro meu coração.
Pulo até fogueira, pra receber sua benção.
E no dia de São Pedro.
Também não vou me esquecer.
Espero que ele também possa ,
os meus desejos atender.
Festas Juninas são por mim muito esperadas.
Fico numa grande animação.
Danço quadrilha, como pipoca
Não deixo de beber o meu quentão.
Paçoca, pamonha e vinho quente.
Adoro essa nossa tradição.
Ao som de uma velha sanfona.
Acalento o meu coração.
Fico aqui a esperar.
Comendo um pouco de amendoim.
Espero que esse ano.
O meu bem lembre de mim…
E quando as festas juninas chegarem.
Irei até o amanhecer…
Vou pular até fogueira.
Para o meu amor me querer
—————————-
FESTAS JUNINAS
Mário Osny Rosa
Santo Antonio, São João e,
São Pedro é hora de soltar balão.
No salão dançando a quadrilha,
O caminho da roça se trilha.
Na fogueira de São João,
Assando muito pinhão.
Rapadura e amendoim,
Ainda temos quindim.
Pedindo a Santo Antonio,
O santo casamenteiro.
Todas estão confiantes,
Num casamento certeiro.
No mês das festas juninas,
É São Pedro quem anima.
Com suas benções divinas,
Aos festeiros da esquina.
—————————-
“ARRAIÁ” DE SÃO JOÃO
Simone Borba Pinheiro
Os fogos anunciavam
a subida dos balões,
que o céu iluminavam
a noite de São João.
Barraquinhas de pipoca,
cachorro quente e quentão,
a moça vendendo “bitoca”
e os moços dizendo:- Que “bão”!…
Com balões e lindas bandeiras,
o “arraiá”, estava enfeitado,
para as muitas brincadeiras,
sem poder ficar sentado.
No auge da festa animada,
no quintal entra a quadrilha:
À frente a noiva mimada,
com a barriga na virilha.
O noivo, o bem amado,
tremia sem parar
de medo do sogro armado,
que só fazia gritar.
O padre só gaguejava
em frente a tal situação,
e a mãe da noiva rezava
pra acabar a confusão.
Casamento realizado,
o sogro se acalmou,
o amor estava selado
e a festa continuou.
—————————-
FESTAS JUNINAS
Denise Severgnini
No meu Rio Grande querido
Os santos são tradicionais
Santo Antônio é o primeiro
No dia treze de julho
É o santo casamenteiro.
No dia vinte e quatro,
Festejamos sem bobeira
As quentinhas fogueiras
Em homenagem a São João.
No dia vinte e nove,
Mais um santo é lembrado
São Pedro do Rio Grande
É o homenageado!
As festas juninas
No sul do Brasil são fenomenais
Com seus folguedos divertidos
E alimentos sortidos…
É a pipoca quentinha…
O pinhão descascado…
O quentão fumegante…
E a batata assada…
Com ansiedade,
Esperamos
O mês de junho chegar
Para os queridos santos
Poder festejar.
—————————-
S. ANTONIO,S. JOÃO,S. PEDRO
Suzette Duarte
Nos três santos populares
Eu vou saltar a fogueira,
Despertos certos olhares,
Pra verem a minha braseira.
Diz-me pois ó meu santinho
Arranjas-me um namorado?
Vou dar-te um recadinho
Seja ele bem delicado…
S. Antonio de ti espero
Um marido prazenteiro,
Um moço novo eu quero,
Pra lhe tocar o pandeiro.
A S. João vou pedir
Um bonito cordeirinho,
Com ele eu possa seguir
Levando na mão o arquinho.
S.Pedro por ser o último
A sua chave lhe vou pedir:
Espero que não dificulto
Se eu pró céu poder ir.
Abençados santinhos
Nestas Festas Juninas,
Recebem os recadinhos
Destas ditosas meninas…
—————————-
OS MILAGRES DE SANTO ANTONIO
Margaret Pelicano
Com vestido xadrezinho,
nas maria-chiquinhas,
laços de fitas,
o rosto pintadinho
e sardas para disfarçar,
lá vai Rosinha velha, em busca de um par…
Todos se ajeitam
a quadrilha começa
e a jovem senhora a chorar…
Cadê meu Chico Bento,
meu corôa ciumento
que não vem me embalar?
E os jovens nem percebem
que ela também está a amar!
Que ela tem o mesmo direito,
de fazer simpatias,
tomar quentão,
comer canjica,
observar as chamas da fogueira,
que estão a crepitar…
Mas eis que chega um velho novo,
charmoso, gostoso,
olhar a disparar,
setas encantadas,
e o coração dela põe-se em fogueira a pular…
a mente pensa
em enfiar a faca na bananeira
para ver se com ele vai casar…
Com novo ânimo, meio sorriso no olhar,
esquece o Chico Bento,
sorri toda faceira,
se aproxima como quem não quer nada
e sussurra?
Tá na hora do ‘olha a chuva’
quer vir aqui se abrigar?
Ele aceita,
bigodão marcado de carvão,
dá-lhe o braço, pula a cobra,
faz mesuras….
e nessa hora, chove alegria para todo lugar…
Rosinha encontrou novo amor
com a ajuda de Santo Antônio,
e sua promessa já pode pagar!
—————————-
É FESTA CAIPIRA… VAI TÊ…
Lídia Valéria Peres
Meu ranchinho é bem piquititinho,
mas vai dá pra acunchegá.
Vai tê muita gente, cantoria, dança e viola,
tamém muito arrastapé…
Queru vê gente chegano, gente cantano,
pra todu mundu si oiá.
Meu ranchu num tem janela, cas paredi
tudo torta, ma num é isso qui vai trapaiá.
Tem um fugão na cuzinha, vamu fazê pipoca,
e sempri u quentaum isquentá.
Minha sogra vai sê uma tristura,
puis gosta di fuxicá.
Ela custuma rogá praga ni quem garra nu dançá.
A genti isqueci a véia e vai pru terrero si alegrá.
Vai tê paçoca da boa e minduim pra isquentá.
Na fuguera, vamu assá u mio qui é pro gais num cabá.
Dispois da cantoria, vamu dançá a quadria e vamo
namorá, bejá, cantá… i si a sogra véia num tivé pertu,
nóis podi até si abraçá.
Eu tô falano tudu issu, purque si propaganda num façu,
num vai tê arrastapé…
Vô ficá nu meu cantinho, co meu véio, tadinho…
tá bem acabadu, increncado…
Tem dor nu corpu, u coitado…
u pé tá sempri inchadu, purisso, só fica sentadu.
Eu só façu memu propaganda purque gosto di
festa di São Juão,
purque si mexu u méu pé,
u meu véio fica arrepiadu, cum ciúmi, coitado!
Si ficá nervosu, cumeça a xingá…
joga tudo pru chão.
Dispois ninguém sigura i o baile podi acabá.
Vai sê uma noiti linda, tudu mundo filiz
si deliciano co quentaum…
Vai sê taum baum!
Eu gostu di romaria, di festança, di fuguera
e até dispois, pá pagá us pecadu, fazê uma porcissão…
São Juão fica contenti, purque sabi qui a genti gosta
das noiti di São Juão. Taum baum!…
Dispois qui u baile acabá, nóis ajueia nu artá,
nóis fála cum sentimentu profundu:
Meu Deus,nóis tem muinta fé, mais
num dexa acabá essa aligria
qui faiz bem pra todu mundo.
Viva a noiti di São Juão, a fuguera,
o arrastapé, u quentaum…
i a nossa uniaum!
Taum baum!
————————————-
SÃO JOÃO NO SERTÃO
Socorrinha Castro / florzinh@
Menina de chita florada,
enfeitada de botão,
com seu chapéu de fita, menina,
estás linda nessa noite de são João.
No terreiro, o sanfoneiro,
com sua sanfona afinada,
puxa o fole a noite inteira,
prá alegrar a moçada.
Num arrasta pé no sertão,
em noites de São João,
todo mundo dança feliz,
quando o sanfoneiro arretado,
puxa o fole animado,
e, toca as músicas do Luís.
E, até mesmo o sanfoneiro,
toca e dança sem parar,
avisando prá moçada,
que não pode cochilar.
E, ao redor da fogueira,
as moças namoradeiras,
arriscam pedir prá São João,
que fale com Santo Antônio,
prá arrumar depressa um dono,
que encante seu coração.
E, o céu todo estrelado,
enfeitado de balão,
ao som da alegre sanfona,
alegra o coração.
Iluminando o terreiro,
dizendo pro mundo inteiro,
que não existe mais belo,
que um arrastar de chinelo,
no São João lá do sertão.
http://atividadesparaprofessores.com.br/poesias-de-festa-junina/

Os cinco reinos dos seres vivos...

Os cinco reinos dos seres vivos...

Os cinco reinos dos seres vivos

Falar em cinco reinos dos seres vivos pode causar alguma confusão e discussão, pois há muitos biólogos que consideram mais de cinco reinos e o conceito de domínio já está se tornando popular entre os cientistas. Por enquanto vamos considerar apenas os cinco reinos, mas em breve discutir esses novos conceitos de classificação.
Muitos cientistas consideram que a vida surgiu na Terra primitiva há cerca de 3,5 bilhões de anos. Assim, todos os seres vivos que conhecemos hoje derivam de um mesmo grupo ancestral. Por processos evolutivos, esse grupo deu origem aos demais grupos de seres vivos.
No capítulo anterior também comentamos a respeito da característica presente em todos os seres vivos: a célula. A origem da vida corresponde à origem da primeira célula. Todas as células possuem material genético e um envoltório, chamado membrana plasmática, que separa o seu interior do meio externo. A célula também apresenta em seu interior o citoplasma, que pode conter diversas estruturas especializadas, dependendo do tipo celular.
Os cientistas consideram que os primeiros seres vivos eram unicelulares, ou seja, constituídos de apenas uma célula. Atualmente, existem grupos de seres vivos unicelulares, como as bactérias, a maioria dos pro-tistas e algumas espécies de fungos.
Os grandes grupos de seres vivos, tanto unicelulares quanto multicelulares, representados na categoria taxonômica de reino, estão indicados no cladograma ao lado. Observe que, de acordo com a hipótese representada no cladograma, os seres vivos podem ser classificados em cinco reinos.
Ao longo da história evolutiva, houve diversificação dentro de cada reino. Muitas espécies surgiram, muitas foram extintas, até chegarmos à biodiversidade atual.
O cladograma nos mostra que as plantas são evolutivamente mais próximas dos protistas, enquanto os fungos são evolutivamente mais próximos dos animais. O Reino Monera é o que tem origem mais antiga entre os atuais reinos de seres vivos.
Vamos ver brevemente quais são os seres vivos agrupados em cada reino

Os cinco reinos dos seres vivos e a biodiversidade

bactérias ecologia
Formado por todos os procariontes, que são as bactérias e as cianobactérias. Eles possuem um tipo de célula chamada procariótica. Nesse tipo celular, não há um núcleo diferenciado, como você pode ver no esquema simplificado a seguir.

Protista ou Protoctista

Protozoários e Algas
Formado por todos os seres unicelulares eucariontes, como as amebas e as algas unicelulares, e por seres multicelulares capazes de fazer fotossíntese, mas com pouca diferenciação do corpo, que são as algas multicelulares. A célula de um protista é eucariótica, ou seja, o material genéüco é separado do citoplasma em um núcleo individualizado.

Fungo ou Reino Fungi

Os Fungos
Formado por seres eucariontes, unicelulares e multicelulares, que absorvem o alimento do meio. Um exemplo de fungo multicelular é o cogumelo comestível conhecido por champignon. Um bom exemplo de fungo unicelular é o Saccharomyces cerevisiae, conhecido como fungo da cerveja, por ser utilizado na fabricação de cervejas e vinhos.

Reino das Plantas

As Plantas fisiologia, organologia
Formado por seres multicelulares fotossintetizantes que possuem corpo diferenciado em tecidos. E o caso de todas as plantas, como musgos, samambaias, coqueiros, mangueiras, entre muitas outras.

Reino Animal

longevidade animal
Formado por seres multicelulares que obtêm alimento por ingestão. É o caso de anémonas, minhocas, borboletas, peixes, sapos, serpentes, aves, cães, seres humanos e tantos outros exemplos.

E os vírus?

Os vírus são diferentes de todos os organismos pertencentes aos reinos dos seres vivos. Eles não são constituídos por células e somente conseguem se reproduzir dentro de uma célula, sendo essas as principais razões pelas quais alguns cientistas não os consideram seres vivos, mas uma forma particular de vida. Entretanto, os vírus possuem material genético, como todos os seres vivos, característica importante para que sejam considerados seres vivos pela maioria dos cientistas.
Sugestão de atividade:
As três primeiras são Respostas pessoais.
  1. Quais informações você achou mais interessantes?
  2. Sentiu dificuldade em entender algum assunto? Qual? Por quê?
  3. Se ainda tiver dúvida ou dificuldade em algum assunto, anote-a e depois a apresente ao professor.
Verifique seus conhecimentos, respondendo às questões no caderno:
  1.    A evolução é um evento do passado ou o planeta Terra ainda está evoluindo? Justifique sua resposta com exemplos.
  2. Monte uma linha do tempo com desenhos que representem as diversas eras geológicas da Terra.
  3. Que evidências fortalecem a explicação científica para a origem dos seres vivos na Terra?
  4. O que são os fósseis? Qual sua importância para o estudo da vida na Terra? Como podemos evitar a destruição de sítios arqueológicos?
  5. Explique o que é especiação e qual é a relação desse processo com a teoria de Darwin.
  6. Faça uma tabela comparando as principais teorias evolutivas estudadas nesta unidade, mostrando as semelhanças e diferenças entre elas.
  7. Qual a importância de um sistema de classificação para o desenvolvimento da Ciência?
  8. Crie um pequeno texto explicando como se interpreta um cladograma e quais informações costumam estar inseridas nele.
Fonte: Oficina do Saber, de Alice Costa Carla Newton Scrivano – Editora Leya

Poluição do ar: Fontes de poluição, efeito estufa, chuva ácida, combustíveis fósseis, consequências da poluição, combustíveis não poluentes, poluição ambiental e poluição atmosférica.

Poluição do ar:

Fontes de poluição, efeito estufa, chuva ácida, combustíveis fósseis, consequências da poluição, combustíveis não poluentes, poluição ambiental e poluição atmosférica.

Indústrias: poluentes despejados no ar (poluição industrial)
Indústrias: poluentes despejados no ar (poluição industrial)
Introdução 
A partir de meados do século XVIII, com a Revolução Industrial, aumentou muito a poluição do ar. A queima do carvão mineral despejava na atmosfera das cidades industriais europeias, toneladas de poluentes. A partir deste momento, o ser humano teve que conviver com o ar poluído e com todos os prejuízos advindos deste "progresso". Atualmente, quase todas as grandes cidades do mundo sofrem os efeitos daninhos da poluição do ar. Cidades como São Paulo, Tóquio, Nova Iorque e Cidade do México estão na lista das mais poluídas do mundo.
Geração da poluição 
A poluição gerada nas cidades de hoje são resultado, principalmente, da queima de combustíveis fósseis como, por exemplo, carvão mineral e derivados do petróleo (gasolina e diesel). A queima destes produtos tem lançado uma grande quantidade de monóxido de carbono e dióxido de carbono (gás carbônico) na atmosfera. Estes dois combustíveis são responsáveis pela geração de energia que  alimenta os setores industrial, elétrico e de transportes de grande parte das economias do mundo. Por isso, deixá-los de lado atualmente é extremamente difícil.
Problemas gerados pela poluição 
Esta poluição tem gerado diversos problemas nos grandes centros urbanos. A saúde do ser humano, por exemplo, é a mais afetada com a poluição. Doenças respiratórias como a bronquite, rinite alérgica, alergias e asma levam milhares de pessoas aos hospitais todos os anos. Outros problemas de saúde são: irritação na pele, lacrimação exagerada, infecção nos olhos, ardência na mucosa da garganta e processos inflamatórios no sistema circulatório (quando os poluentes chegam à circulação). Em dias secos e com poluição do ar alta, é recomendado beber mais água do que o normal, evitar atividades físicas ao ar livre, utilizar umidificador dentro de casa (principalmente das 10h às 16h) e limpar o chão de casa com pano úmido. 
A poluição também tem prejudicado os ecossistemas e o patrimônio histórico e cultural em geral. Fruto desta poluição, a chuva ácida mata plantas, animais e vai corroendo, com o tempo, monumentos históricos. Recentemente, a Acrópole de Atenas teve que passar por um processo de restauração, pois a milenar construção estava sofrendo com a poluição da capital grega. 
O clima também é afetado pela poluição do ar. O fenômeno do efeito estufa está aumentando a temperatura em nosso planeta. Ele ocorre da seguinte forma: os gases poluentes formam uma camada de poluição na atmosfera, bloqueando a dissipação do calor. Desta forma, o calor fica concentrado na atmosfera, provocando mudanças climáticas. Futuramente, pesquisadores afirmam que poderemos ter a elevação do nível de água dos oceanos, provocando o alagamento de ilhas e cidades litorâneas. Muitas espécies animais poderão ser extintas e tufões e maremotos poderão ocorrer com mais frequência.
Soluções e desafios
Apesar das notícias negativas, o homem tem procurado soluções para estes problemas. A tecnologia tem avançado no sentido de gerar máquinas e combustíveis menos poluentes ou que não gerem poluição. Muitos automóveis já estão utilizando gás natural como combustível. No Brasil, por exemplo, temos milhões de carros movidos a álcool, combustível não fóssil, que poluí pouco. Testes com hidrogênio tem mostrado que num futuro bem próximo, os carros poderão andar com um tipo de combustível que lança, na atmosfera, apenas vapor de água.
Curiosidades:
- Cidades do mundo com o ar mais poluído: Pequim (China), Karachi (Paquistão), Nova Délhi (Índia), Katmandu (Nepal), Lima (Peru), Arequipa (Peru), Ulan Bator (Mongólia) e Cairo (Egito).
- Cidades do mundo com o ar mais limpo: Calgary (Canadá), Honolulu (Estados Unidos), Helsinque (Finlândia), Wellington (Nova Zelândia), Mineápolis (Estados Unidos) e Adelaide (Austrália).
- 14 de agosto é o Dia de Controle da Poluição Industrial.

Cartazes Com Orientações Para os Ajudantes do Dia

Cartazes Com Orientações Para os Ajudantes do Dia






























http://cantinhoalternativo.blogspot.com.br/2013/02/cartazes-com-orientacoes-para-os.html

Dezenas de Etiquetas Para Imprimir

Dezenas de Etiquetas Para Imprimir

Com essas etiquetas, você poderá fazer crachás com o nome dos alunos, criar recadinhos para colar no caderno de recados, etiquetas de identificação para cadernos, livros, armários, lembretes de quem vai de ônibus etc.





























Fonte: http://xwrapaidiwn.blogspot.gr/

"Estabelecerei paz na terra, e dormireis seguros, e não haverá quem vos espante;" 
(Levítico 26:6a)

Cartaz: Cinco Passos Para Aprender

Este conjunto de cartazes ilustram "5 Passo para um bom aprendizado", trata-se de truque do comportamento. Ao fazer lembretes visuais como este, imagino, que para as crianças sirvam como lembretes constantes, muito eficazes. O interessante é apresentar as imagens nos primeiris dias de aula. Em se tratando de crianças é muito importante ter gráficos que realmente mostram brincando quais são as expectativas e atitudes que podem as auxiliarem. Não foi eu que os criei mas dei uma editada pois se encontravam em inglês.







Fonte:http://peacelovelearning.blogspot.com.br/
"Então lhes perguntou: Onde está a vossa fé? Eles, atemorizados, admiraram-se, dizendo uns aos outros: Quem, pois, é este, que até aos ventos e à água manda, e lhe obedecem?"
(Lucas 8:25)
http://cantinhoalternativo.blogspot.com.br/2013/01/ceratcinco-passos-apra-aprender.html