IMPOSTÔMETRO:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER --

ANÚNCIO:

ANÚNCIO:

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

O iPad Pro chegará ao Brasil custando até R$ 9.699


Você já se imaginou pagando mais de sete mil reais por um tablet? Graças à Apple e seus preços exorbitantes no Brasil, este pesadelo agora é real.


Hoje, o iPad Pro começa a ser vendido em mais de 40 países, o que não inclui o Brasil. A assessoria da Apple diz ao Gizmodo Brasil que ainda não há uma data de lançamento por aqui.


No entanto, os preços já foram divulgados:


– 32 GB e Wi-Fi: R$ 7.299


– 128 GB e Wi-Fi: R$ 8.599


– 128 GB e Wi-Fi + 3G/4G: R$ 9.699


Nos EUA, o iPad Pro custa a partir de US$ 799.


Os acessórios também são absurdamente caros: o Smart Keyboard custa R$ 1.299, enquanto o Apple Pencil sai por R$ 749.


O iPad Pro possui tela de 12,9 polegadas e resolução 2732 x 2048 pixels. Ele tem processador A9X que promete ser 1,8 mais rápido que o antecessor. Há quatro alto-falantes distribuídos pelo tablet, ativados de acordo com a posição na qual você segurar o dispositivo. São 6,9 mm de espessura e 713 g.


Como o foco do iPad Pro é produtividade, ele foi feito para trabalhar com dois acessórios. O Smart Keyboard é um teclado que se encaixa por três pinos no tablet, que transferem dados e energia. Ele tem um apoio para a tela, e serve como capa. Ele transforma o iPad Pro em um clone do Microsoft Surface, um que não consegue rodar programas de desktop.


E o Apple Pencil é uma stylus que detecta força e calcula a inclinação do traço. Quando ela toca o iPad Pro, a tela dobra a taxa de atualização para o traço ser mais preciso. O acessório é carregado através de um conector Lightning que se encaixa no tablet.


As resenhas do iPad Pro já saíram. Eles elogiam a tela, a velocidade do tablet, e a precisão do Apple Pencil – “quase não há latência entre o Pencil e a tela”, diz o The Verge. Vários apps já foram adaptados para o formato maior, exibindo mais informações na tela.


O WSJ conclui que, “por cerca de US$ 1.000, há muitas limitações no armazenamento, portas e software”. No Brasil, é ainda mais difícil justificá-lo por causa do preço.


Fonte: Gizmodo (Via MacMagazine)