IMPOSTÔMETRO:

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM

Visite o blog: NOTÍCIAS PONTO COM
SOMENTE CLICAR NO BANNER --

ANÚNCIO:

ANÚNCIO:

domingo, 3 de julho de 2016

Pteridófitas

As pteridófitas são o primeiro grupo a possuir vasos condutores, ou seja, a pertencer ao grupo de plantas vasculares. O surgimento desse sistema condutor de água e outras substâncias solucionou o problema de transporte célula a célula presente nas briófitas, isso permite que o grupo das pteridófitas tenham plantas de pequeno e de grande porte.
A maioria das pteridófitas são as samambaias, indivíduos abundantes desde registros fósseis do Carbonífero. É o maior e mais diversificado grupo depois das angiospermas. Algumas samambaias possuem folhas inteiras, outras recortadas, além do tamanho da folha poder variar numa escala de metros.
As samambaias arbóreas do gênero Cyathea podem atingir até 24 metros e ter folhas com mais de 5 metros de comprimento. Apesar das samambaias serem as mais abundantes no grupo, as pteridófitas podem ser representadas também pelas avencas, xaxins e cavalinhas. As plantas desse grupo têm grande valor ornamental para a espécie humana, a maioria é terrestre mas já foram encontradas raras espécies aquáticas.

Estrutura corpórea das pteridófitas

O corpo das pteridófitas possui três órgãos bem definidos: raiz, caule e folhas. Normalmente, o caule é subterrâneo nesses indivíduos, se desenvolvendo de forma horizontal no solo, ele é chamado de rizoma. Entretanto, podemos encontrar também caules aéreos como nos xaxins. As folhas das samambaias são muito diversas, podem ser lisas ou recortadas em elementos menores chamados de folíolos.
Estrutura do corpo de uma samambaia.
Estrutura do corpo de uma samambaia.

Reprodução das pteridófitas

Assim como as briófitas, as pteridófitas também possuem uma alternância de gerações, um ciclo com uma fase sexuada e uma fase assexuada. Usaremos como exemplo para o ciclo reprodutivo a samambaia Polypodium vulgar, muito cultivada em nossas casas.
Ao contrário das briófitas, a geração duradoura nas pteridófitas é aesporofítica, a fase assexuada e produtora de esporos da planta. Você já observou pontinhos escuros na parte abaxial (inferior) da folha de uma samambaia? Esses pontinhos são chamados soros, e são nessas estruturas que os esporos são produzidos.
Depois que os esporos ficam maduros, os soros se abrem para liberá-los, se caírem em solo propício (úmido e com disponibilidade de nutrientes) cada esporo irá germinar e formar um protalo (uma estrutura em forma de coração). O protalo e a parte sexuada das samambaias, é onde ocorre a produção de gametas, ou seja, ele é o gametófito das pteridófitas.
Após a fecundação do anterozoide com a oosfera (na presença de água), o zigoto é formado e se desenvolve até formar o embrião. Esse embrião é que dará origem a um novo esporófito, ou seja, formará uma nova samambaia, dando início a um novo ciclo de vida.

Ciclo de vida das Pteridófitas 

Ciclo de vida das pteridófitas
Ciclo de vida das pteridófitas
 Denisele Neuza Aline Flores Borges
Bióloga e Mestre em Botânica

http://escolaeducacao.com.br/pteridofitas/